Resposta de Allan Kardec a um artigo

Publicado na Gazeta de Lyon em agosto de 1860

Textos extraídos da Revista Espírita de outubro 1860

Trechos do texto:

(Vide resposta do Sr. Allan Kardec)

Resposta do Sr. Allan Kardec
ao Sr. redator da Gazette de Lyon

Senhor,

Enviaram-me um artigo, assinado por C. M., que publicastes na Gazette de Lyon de 2 de agosto de 1860, sob o título de: Uma sessão espírita. Nesse artigo, se não sou atacado senão indiretamente, eu o sou na pessoa de todos os que partilham de minhas convicções. Isto, porém, nada representaria, se vossas palavras não tendessem a falsear a opinião pública sobre o princípio e as conseqüências das práticas espíritas, cobrindo de ridículo e censurando os que as professam, e que apontais à vindita legal. Peço-vos permissão para fazer algumas retificações a respeito, esperando de vossa imparcialidade que publiqueis minha resposta, já que julgastes por bem publicar o ataque.

Não penseis, senhor, que eu tenha o objetivo de vos convencer, nem de retribuir injúria por injúria. Sejam quais forem as razões que vos impeçam de partilhar de nossa maneira de ver, não cogito em procurá-las, e as respeito, se forem sinceras. Só reclamo a reciprocidade praticada entre gente que sabe conviver.

Quanto aos epítetos incivis, não é de meu costume utilizá-los. Se tivésseis discutido seriamente os princípios do Espiritismo; se a eles tivésseis oposto quaisquer argumentos, bons ou maus, eu teria podido vos responder. Mas como toda a vossa
argumentação se restringe a nos qualificar de imbecis, não me cabe discutir convosco se tendes ou não razão. Limito-me, pois, a destacar aquilo que as vossas asserções têm de inexato, fora de todo personalismo.

Não basta dizer às pessoas que não pensam como nós que elas são imbecis: isto está ao alcance de qualquer um. É necessário demonstrar-lhes que estão erradas. Mas, como fazê-lo? Como entrar no cerne da questão, se não se conhece a sua primeira palavra? Ora, creio seja o caso em que vos encontrais, pois do contrário teríeis empregado melhores armas que a acusação banal de estupidez.

Quando vos tiverdes dado ao estudo do Espiritismo o tempo moral necessário – e vos previno que é preciso bastante; quando tiverdes lido tudo quanto puder fundamentar a vossa opinião, aprofundado em todas as questões, assistido, como observador consciencioso e imparcial, a alguns milhares de experiências, vossa crítica terá algum valor. Até lá, não passa de uma opinião pessoal, que em nada se apóia e a respeito da qual podeis, palavra por palavra, ser pilhado em flagrante delito de ignorância. O começo de vosso artigo é uma prova.

*

"Os Espíritos, em se depurando pelas encarnações sucessivas, perdem o egoísmo, como perdem suas outras impurezas"

Allan Kardec "O Codificador da Doutrina Espírita"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Allan Kardec - Revista Espírita (FEB) - 1860 (Ver o material da Revista Espírita de outubro 1860 na íntegra a defesa da Doutrina Espírita)

Allan Kardec - Resposta de Allan Kardec a um artigo publicado na Gazeta de Lyon em agosto de 1860