www.aluznamente.com.br

JORGE HESSEN

LUZ NA MENTE

 

 

Estas reflexões, seguramente, nortearão os passos de muitos que, do ponto de vista doutrinário, se atolaram nos tóxicos dos conceitos equivocados e manobrados pelos inimigos da luz.

Esta é uma contribuição, sem maiores pretensões que não a de levar, ao provável leitor algumas ilustrações temáticas cujo o teor se consubstancia em uma porta escancarada para se adentrar nos lídimos postulados Kardecianos. 

Jorge Hessen "O Combativo Escritor Espírita"

E.mail de Contato com Escritor
Jorgehessen@gmail.com

Apresentação do autor:

Jorge Luiz Hessen nasceu no antigo Estado da Guanabara, Rio Janeiro, no dia 18 de agosto de 1951. Vive a vida inerente àqueles que vieram ao mundo a fim de despertar para um projeto mais alto, acima dos prazeres da Terra. Teve uma infância pobre, de pais separados, com mais dois irmãos. Na juventude teve seu primeiro contato com fatos da mediunidade através de uma incorporação de seu irmão mais novo.

Ficou impressionado, pois sabia que o irmão seria incapaz de dissimular um fenômeno de tal magnitude. Aquele episódio o levaria, mais tarde, a chegar às portas dos princípios codificados por Allan Kardec.

Aos 20 anos de idade ingressou, por concurso, no serviço publico onde até hoje permanece. Foi durante 5 anos, Diretor do INMETRO no Estado de Mato Grosso. Executou serviços profissionais junto à Universidade de Brasília, durante 4 anos, na condição de coordenador de provas práticas de concursos públicos realizados pelo CESP.

Consorciou-se com Maria Eleusa aos 26 anos de idade. É pai de quatro filhos, sendo uma das filhas (a mais velha) portadora de lesão cerebral. Na maturidade da vida teve oportunidade de fazer cursos superiores.

Possui a Licenciatura de História e Geografia pelo UniCEUB (Centro Universitário de Brasília), atualmente está cursando Licenciatura Plena de Historia na UnB (Universidade de Brasília).

Porem, a sua vida espírita nesses 30 anos de Doutrina perfez conteúdos de muitas faculdades. Participou da fundação de alguns centros espíritas em Brasília e Cuiabá-MT, onde teve publicado, em 1991, o livro "Praeiro - Peregrino da Terra do Pantanal".

Começou seu trabalho de divulgação ainda jovem em todo DF. Engajou como articulista espírita, tornando-se sólido esse fato em Cuiabá, quando publicava "Luz na Mente", um periódico que veio satisfazer o seu ideal na Divulgação Espírita.

Foi redator e diretor do Jornal "União da Federação Espírita" do DE. Vinculado a vários órgãos divulgadores da Doutrina Espírita a exemplo de "Reformador" da FEB, "O Espírita" do DF, "O Médium" de Juiz de Fora/MG e palestrante nos mais diferentes lugares de DF. Tem a oportunidade de levar a mensagem espírita às cidades próximas de Brasília, como Anápolis, Cidade ocidental e outras.

Sua diretriz inabalável continua sendo o compromisso de fidelidade a Jesus e a Kardec.

Maria Eleusa de Castro

(Esposa de Jorge Hessen)

Nas entrelinhas da fé raciocinada Jorge Hessen:

Oração Para uma Filha Especial

Como pai de uma filha portadora de necessidades especiais, e tendo nesse ser o arrimo mais substancialmente importante para desenvolver os trabalhos que ora temos desenvolvido, pedimos licença ao amigo leitor para registrar, a seguir, uma manifestação de carinho, quando em um certo dia orávamos e colocamo-nos no lugar dela, que com os seus amendoados olhos alegres parecia agradecer por tudo e por todos os momentos que temos desfrutado nesta atual etapa de regeneração moral, pelas vias dos conhecimentos espíritas.

"Deus! ante os descoordenados passos do meu caminhar e das minhas mãos atrofiadas quero rogar-te para os que me compreendem.

"Imploro-te a paz para os que aguçam as conchas dos ouvidos para ouvir as palavras que não sei pronunciar, posto não ser fácil converter em palavras os meus pensamentos.

"Venho exorar misericórdia para os que se desdobram em compreensão à frente dos lentos reflexos da minha mente limitada.

"Senhor, agradeço a presença daqueles que com um semblante feliz me estimulam a sorrir e a tentar sempre mais uma vez.

"É maravilhoso Senhor, estar diante daqueles que nunca desistem de, ao meu lado, entoarem os sons maviosos da complacência, mesmo quando nada consigo ouvir.

"É tão bom estar envolto na tolerância daqueles que, embora olhando, não vêem a comida que eu deixo cair fora do prato.

"Folgo por aqueles que nunca me lembram que hoje fiz a mesma pergunta dezenas de vezes, embora me escutem porque sabem que sempre tenho algo a dizer.

"Cubra com teu manto de luz os que transformam os acúleos da minha estrada em atalhos floridos e iluminados.

"Por ser diferente dos chamados normais, suplico pelos que me amam como sou, exatamente como sou, tão-somente como sou e não como eles gostariam que eu fosse.

"De minha parte quero agradecer-te porque sei que depois desta experiência, na outra encarnação, minhas pernas serão normais, minhas mãos trabalharão, meus ouvidos escutarão, minhas palavras serão os moldes dos meus raciocínios, e a Tua Justiça continuará sendo o cajado seguro das minhas conquistas eternas."

Jorge Hessen

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Programa Espiritismo Em Foco)

Fontes: EVOC - Editora Virtual "O Consolador" (Obras Espíritas Grátis)

Fontes: A Luz na Mente » Revista on line de Artigos Espíritas

"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;

Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."

(I Coríntios - cap. 13)

 

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.
Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!
A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante.
Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará.
A nossa ciência é parcial, a nossa profecia é imperfeita.
Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá.
Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança.
Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido.
Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade.

1 Coríntios 13:1-13
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.
Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!
A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante.
Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará.
A nossa ciência é parcial, a nossa profecia é imperfeita.
Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá.
Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança.
Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido.
Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade.

1 Coríntios 13:1-13

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Jorge Hessen - Luz na Mente PDF

 

Jorge Hessen - Luz na Mente DOC