Gustave Caillebotte

Rua Parisiense, Dia Chuvoso em 1877

 

(O GRANDE pintor dAS PAISAGENS URBANAS de paris CONTEMPORÂNEAS de Allan Kardec)

 

Kardec ontem, agora, mais tarde e ininterruptamente

APONTAMENTOS PALPITANTES SOB A PERSPECTIVA ESPÍRITA

(JORGE HESSEN)

Prefácio:

O médium, que consagra todo o seu tempo ao público, no interesse da causa, não o pode fazer de graça, porque tem que viver. Mas, é no interesse da causa, ou no seu próprio, que ele o emprega? Não esqueçamos que os Espíritos são as almas dos mortos e que, quando a moral e a religião prescrevem como um dever que se lhes respeitem os restos mortais, maior é ainda a obrigação, para todos, de lhes respeitarem o Espírito. (1)

Que diriam daquele que, para ganhar dinheiro, tirasse um corpo do túmulo e o exibisse por ser esse corpo de natureza a provocar a curiosidade? Será menos desrespeitoso, do que exibir o corpo, exibir o Espírito, sob pretexto de que é curioso ver-se como age um Espírito? E note-se que o preço dos lugares será na razão direta do que ele faça e do atrativo do espetáculo. Certamente, embora houvesse sido um comediante em vida, ele não suspeitaria que, depois de morto, encontraria um empresário que, em seu proveito exclusivo, o fizesse representar de graça.

Kardec reconhece que a severidade para com os médiuns interesseiros revoltam todos os que exploram. Mas devemos nos consolar ao lembrarmos os vendilhões expulsos do templo por que Jesus não os viam com bons olhos. Temos igualmente contra nós os que não consideram a coisa com a mesma gravidade.

Os médiuns gananciosos (trapaceiros) são estigmatizados. Observemos seguinte carta que Kardec publicou R.E. do mês de agosto de 1861:

“Paris, 21 de julho de 1861.

“Senhor.

“Pode-se estar em desacordo sobre certos pontos e de perfeito acordo sobre outros”. Acabo de ler, à página 213 do último número do vosso jornal [R.E.], algumas reflexões acerca da fraude em matéria de experiências espiritualistas (ou espíritas), reflexões a que tenho a satisfação de me associar com todas as minhas forças. Aí, quaisquer dissidências, a propósito de teorias e doutrinas, desaparecem como por encanto.

“Não sou talvez tão severo quanto o sois, com relação aos médiuns que, sob forma digna e decente, aceitam uma paga, como indenização do tempo que consagram a experiências muitas vezes longas e fatigantes. Sou, porém, tanto quanto o sois — e ninguém o seria demais — com relação aos que, em tal caso, suprem, quando se lhes oferece ocasião, pelo embuste e pela fraude, a falta ou a insuficiência dos resultados prometidos e esperados.

“Misturar o falso com o verdadeiro, quando se trata de fenômenos obtidos pela intervenção dos Espíritos, é simplesmente uma infâmia e haveria obliteração do senso moral no médium que julgasse poder fazê-lo sem escrúpulo”.

Conforme o observastes com perfeita exatidão — é lançar a coisa em descrédito no espírito dos indecisos, desde que a fraude seja reconhecida. Acrescentarei que é comprometer do modo mais deplorável os homens honrados, que prestam aos médiuns o apoio desinteressado de seus conhecimentos e de suas luzes, que se constituem fiadores da boa-fé que neles deve existir e os patrocinam de alguma forma. É cometer para com eles uma verdadeira prevaricação.

Todo médium que fosse apanhado em manejos fraudulentos; que fosse apanhado, para me servir de uma expressão um tanto trivial, com a boca na botija, mereceria ser proscrito por todos os espiritualistas ou espíritas do mundo, para os quais constituiria rigoroso dever desmascará-los ou infamá-los.

Se vos convier, Senhor, inserir estas breves linhas no vosso jornal, ficam elas à vossa disposição.

“Aceitai, etc. — Mateus.”(2)

São Paulo, 06 de dezembro de 2011

Irmãos W. e Jorge Hessen

Referências bibliográficas:

(1) Kardec Allan. O Livro dos Médiuns, Cap. XXVIII itens 312/313-“Médiuns Interesseiros”, Rio de janeiro: Ed. FB, 1990

(2) Kardec, Allan. Revista Espírita de agosto de 1861, São Paulo: Edicel, 1990

Ver a Palestra proferida na Comunhão Espírita de Brasília, no dia 20/08/2011, pelo palestrante Jorge Hessen

"O Espiritismo não descobriu nem inventou os Espíritos, como não descobriu o mundo espiritual, no qual se acreditou em todos os tempos; todavia, ele o prova por fatos materiais e o apresenta em sua verdadeira luz, desembarançando-o dos preconceitos e idéias supersticiosas, filhos da dúvida e da incredulidade."

Allan Kardec "O Codificador da Doutrina Espírita"

 

RELAÇÕES DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Kardec ontem, agora, mais tarde e ininterruptamente (APONTAMENTOS PALPITANTES SOB A PERSPECTIVA ESPÍRITA) PDF

 

Kardec ontem, agora, mais tarde e ininterruptamente (APONTAMENTOS PALPITANTES SOB A PERSPECTIVA ESPÍRITA) DOC