Anna Blackwell

Provável efeito do progresso das ideias espíritas sobre a marcha social do futuro

 

OBRA RARA TRADUZIDA

 

Anna Blackwell 

De l'effet probable du progres des idees spirites sur la marche sociale de l'avenir

Librairie de La Revue Spirite

7, rué de lille

Imprimerie D. Bardin, A Saint-Germain

Paris (1877)

 

 Tradutor do Francês para o Português

Abílio Ferreira Filho

Prefácio da obra:

Não encontramos em abundância maiores referências biográficas sobre a personagem de Anna Blackwell, autora e publicista britânica para o Espiritismo. Blackwell tornou-se uma seguidora do Espiritualismo na década de 1860, cujas crenças conformavam-se com suas próprias experiências.

Em 1869 ela apresentou provas à Comissão da Sociedade Dialética de Londres e contribuiu com um documento datado de julho de 1870 e publicado em seu relatório sobre o neo-espiritualismo (Londres, 1871). Blackwell teve algumas experiências dos fenômenos psíquicos (metapsíquico), e havia visto imagens espirituais surgirem em fotografias obtidas por seu equipamento fotográfico.

Na década de 1870 Anna deparou-se com a literatura kardeciana e iniciou o processo de tradução para a língua Inglesa; avultando-se como uma admirável expoente dos preceitos espíritas.

Em 1876, na apresentação da tradução de O Livro dos Espíritos, Blackwell transmitiu muitos subsídios históricos sobre Kardec além de notas biográficas e familiares e muito mais.

São Paulo, 08 de julho de 2017

Jorge Hessen

Trechos da obra:

Evidentemente, é impossível atribuir muita importância à influência que uma comunicação inteligente, entre a terra que habitamos e o mundo dos espíritos, deve exercer sobre a nova fase de convicção para a qual nós tendemos, malgrado as circunstâncias que, à primeira vista, parecem diminuir o valor dos resultados que se pode esperar obter dessa comunicação.

As duas regiões de existência que oferece nosso planeta sendo duas partes integrantes de um mesmo todo, precisamos admitir que todas as duas são submetidas à mesma lei de progresso lento e gradual.

Devemos então ter paciência para encontrar, como é evidente para os que seguiram o movimento espírita, que a ignorância dos princípios gerais, a persistência dos preconceitos e do erro, e os raciocínios baseados nas impressões, as suposições e as especulações pessoais, são também numerosas do outro lado do túmulo quanto deste.

O semelhante atrai o semelhante, é evidente que cada médium só atrairá espíritos de mesmo grau de adiantamento que ele mesmo, e que as dificuldades inerentes à arte da manifestação, do lado dos espíritos, devem necessariamente impedir, no presente e talvez por longo tempo ainda, a livre e correta transmissão do pensamento das regiões superiores do mundo dos espíritos.

Mas, é igualmente evidente que, malgrado esses obstáculos, - que são devidos à inferioridade geral de nosso planeta, e do que não se poderá se desfazer senão pelo progresso gradual das duas classes de sua população, isto é, das almas encarnadas e das almas desencarnadas, - a comunicação estabelecida agora de todas as partes da superfície da terra e o mundo dos espíritos deve todavia exercer uma influência determinante sobre seu desenvolvimento futuro.

Em primeiro lugar, essa comunicação provará a sobrevivência da alma inteira com sua atividade e suas afeições após a morte do corpo, sobrevivência à qual a maioria da humanidade não acrescenta nenhuma crença real, e que não tem, por consequência, nenhuma influência sobre suas ações.

É verdade que essa sobrevivência não é suficiente para provar a indestrutibilidade da alma, pois o prolongamento de sua existência através de algumas centenas, alguns milhares ou mesmo alguns milhões de anos, não é de forma alguma uma prova certa que ela se prolongará através da eternidade; o que não pode ser provado de uma maneira incontestável senão por uma teoria unitária da existência.

Entretanto, se a comunicação inteligente entre os homens e os espíritos não devia ter outro resultado senão o de mostrar que a alma não morre com o corpo, e que não há por consequência nenhuma possibilidade inerente à idéia que a alma está destinada a durar eternamente, o fato dessa comunicação entre os dois mundos seria ainda incomparavelmente mais interessante em si mesma, e mais importante em sua influência sobre as crenças e a evolução futuras da humanidade, que todas as descobertas puramente físicas que são a glória da ciência positiva de hoje.

Mas a comunicação em questão é, evidentemente, destinada a levar a um resultado muito mais importante que o simples estabelecimento da presunção, em favor de nossa existência eterna, que pode se deduzir da sobrevivência da alma durante um período mais ou menos longo após a morte do corpo.

Embora seja evidente que a maior parte das comunicações mediúnicas devem ser somente um reflexo das ideias presentes dos espíritos que estão mais perto da região habitada pelos homens, e os médiuns para os quais eles são simpaticamente atraídos, todavia, é igualmente evidente que, pela generalização da mediunidade, os grandes espíritos – que se destacaram em sua carreira terrestre e dirigem a transformação das ideias que se efetua atualmente em nosso mundo – do mesmo modo escolherão os médiuns mais aptos a lhes servir de instrumentos para a transmissão das ideias que eles podem ter para nos sugerir.

Dessa maneira, essas inteligências de elite nos ajudarão a concluir a explicação geral do plano criador que – devendo necessariamente abranger as relações do presente com o passado e o futuro, e as de nossa terra e suas raças com os outros globos e os outros seres do universo – não pode jamais ser elaborado pelos únicos esforços de observação e de indução humanas; pois é evidente que não poderemos chegar a essa explicação, senão com a ajuda daqueles a quem seu adiantamento superior permite tomar, sobre os arranjos providenciais, uma visão mais ampla do que a que se pode fazer da terra.

Essa explicação, elucidada e confirmada pelas descobertas progressivas da ciência, nos esclarecerá sobre a natureza e as condições da existência da alma, e nos dará assim ao mesmo tempo a razão e a certeza da duração eterna de cada alma individualizada, como objetivo e resultado desses arranjos.

Fontes: Anna Blackwell - Provável efeito do progresso das ideias espíritas sobre a marcha social do futuro

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Espiritismo em Foco - Evangelho instrumento sublime para vencer as trevas)

Fontes: A Luz na Mente » Revista on line de Artigos Espíritas (O Espiritismo necessita retornar às suas origens primordiais)

Fontes: César Perri - GEECX - Grupo de Estudos Espíritas Chico Xavier

"Já nos perguntaram por que não respondemos, em nosso jornal, aos ataques de certas folhas, dirigidos contra o Espiritismo em geral, contra seus partidários e, por vezes, contra nós. Acreditamos que o silêncio, em certos casos, é a melhor resposta. Aliás, há um gênero de polêmica do qual tomamos por norma nos abstermos: é aquela que pode degenerar em personalismo; não somente ela nos repugna, como nos tomaria um tempo que podemos empregar mais utilmente […] Entretanto, há polêmica e polêmica; uma há, diante da qual não recuaremos jamais: é a discussão séria dos princípios que professamos."

Allan Kardec "Revista Espírita de novembro de 1858"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Anna Blackwell - Provável efeito do progresso das ideias espíritas sobre a marcha social do futuro (PDF)

 

Anna Blackwell - De l'effet probable du progres des idees spirites sur la marche sociale de l'avenir (1877) (Fr)