HERCULANO PIRES 

OS TRÊS CAMINHOS DE HECATE

 (Lições de Espiritismo / Crônicas)

 

Sinopse da obra:

José Herculano Pires manteve, durante muitos anos, no jornal “Diário de São Paulo”, órgão dos Diários e Emissoras Associados, uma coluna de crônicas espíritas, na qual abordava temas de interesse geral relacionados com a doutrina codificada por Allan Kardec. Assinava-as com o pseudônimo de Irmão Saulo.

Nesta obra estão reunidas algumas das mais interessantes crônicas do autor, publicadas no referido jornal.

Jornalista, filósofo, escritor e professor, Herculano Pires alcançou grande conceito dentro e fora do movimento espírita. Sua produção literária ultrapassa aos oitenta títulos; alguns deles constituem-se verdadeiras obras filosóficas.

Herculano dedicou a maior parte de sua existência em favor da Doutrina Espírita, seja buscando interpretá-la com fidelidade, seja defendendo-a dos ataques dos adversários.

Trechos da obra:

Fenômenos de Materialização

Vários leitores nos fazem perguntas sobre os fenômenos de materialização de espíritos. “Isso é verdade? Os espíritos se materializam, se tornam tangíveis e podem ser fotografados? Esses fenômenos são de fácil obtenção? Até mesmo em círculos incultos é possível o aparecimento de materializações legítimas? E por que o escuro? Por que não aparecem as materializações em plena luz? Essa fotofobia não justifica as acusações de fraude, formuladas em todos os casos?”

O problema das materializações é realmente um dos mais complexos da ciência espírita. Todas essas perguntas têm razão de ser. Mas, por outro lado, todas elas tem resposta e as respostas já foram dadas há muito tempo, por investigadores espíritas e não espíritas, alguns deles representando nomes honrosos nas ciências materiais.

Para começar, diremos que é verdade. Sim, os espíritos realmente se materializam e, quanto a isso, não pode haver a menor dúvida, por parte das pessoas que tenham procurado conhecer o problema. Já não somos nós, os espíritas, que dizemos isso: são os cientistas que realizaram experiências a respeito, no passado e no presente.

Que as materializações são tangíveis e podem ser fotografadas, também é indiscutível. Aí estão as experiências de Crookes e Richet; o “Tratado de Metapsíquica”, com suas magníficas ilustrações, as investigações atuais, realizadas nos Estados Unidos e na Europa; as experiências felizes efetuadas em nosso país. Desde o caso célebre da médium Ana Prado, no Pará, até o das materializações luminosas do médium Peixotinho, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, atestadas pelo livro recente do delegado Ranieri.

Quanto à facilidade na obtenção dos fenômenos, tudo depende, como em todos os casos em que desejarmos “interrogar a natureza”, seja no plano das ciências materiais, seja no Espiritismo, da existência de condições favoráveis e de aparelhagem suficiente.

Não podemos obter fenômenos de materialização se não dispusermos de um médium especial, de um grupo de pessoas capazes de nos auxiliarem em trabalho sério e persistente, de local adequado para as experiências. Dispondo de todos esses elementos e, ainda, se o médium estiver em condições físicas e psíquicas normais, obteremos os fenômenos com relativa facilidade.

A produção desses fenômenos em círculos incultos é também possível. Acontece, porém, que nesses círculos não há condições para verificação da legitimidade das aparições. Por outro lado, não havendo conhecimento das dificuldades para obtenção dos fenômenos, nem uma compreensão ampla da sua significação, esses círculos são mais sujeitos a fraudes e mistificações, não raro produzidas pelos próprios espíritos.

A bibliografia espírita, e mesmo a não espírita, registram numerosos casos de fenômenos de materialização em tribos selvagens. O professor Ernesto Bozzano escreveu um belo livro a respeito, recentemente reeditado em Verona, por Edizioni Europa, com o título: “Popoli Primitivi e Manifestazioni Supernormali”.

No tocante ao problema da luz, devemos acentuar que a escuridão não é condição obrigatória. As sessões de Crookes, por exemplo, as mais importantes realizadas na Europa no século XIX, foram quase todas com luz. Atualmente, nos Estados Unidos, segundo relatos da sra. Marshall, para a “Revista Internacional do Espiritismo”, numerosas experiências foram realizadas, com pleno êxito, à luz do dia. No Brasil também há casos de materialização nessas condições.

Em geral, os médiuns sensíveis à luz precisam submeter-se a uma espécie de treinamento, para suportá-la. Em muitos casos, a luz afeta as formações ectoplásmicas, prejudicando o médium, mas há o recurso de conservar-se o médium num gabinete escuro, do qual saem as formas materializadas para uma sala com luz tênue.

De qualquer maneira, o problema da luz não justifica as acusações de fraude, pois sabemos que muitos fenômenos químicos e biológicos somente se realizam no escuro. As materializações envolvem melindrosos e ainda não esclarecidos problemas nesses dois campos da ciência.

O médico italiano Enrico Imoda efetuou numerosas experiências, na primeira década do século XX, para obtenção de fotografias mediúnicas. Obteve êxito notável nas sessões realizadas com a médium Linda Gazzera, uma jovem de vinte e dois anos, e elaborou um trabalho que foi publicado logo após a sua morte, com o título de “Fotografie di Fantasmi”.

Essas fotografias foram tiradas pelo antigo sistema de lâmpadas a magnésio, o que basta para confirmar que as formas materializadas resistem à luz, por mais forte que esta se apresente. Embora se tratasse, em geral, de fenômenos ideoplásticos, a prova tem o mesmo valor, pois a ideoplastia é também materialização, não de espíritos, mas de formas mentais produzidas pelo médium ou pelos espíritos que o assistem.

A srta. Linda Gazzera apresentava uma mediunidade curiosa, capaz de produzir fenômenos físicos com extrema rapidez, mal se apagava a luz. Guillaume de Fontenay, experimentador francês que participou das sessões, observou que em menos de um minuto os fenômenos começavam a produzir-se, de maneira intensa e variada.

Entretanto, a médium não suportava a luz e o seu guia espiritual, Vincenzo, exigia sempre que se fizesse plena escuridão na sala de trabalhos. Fontenay entendia que essa fotofobia da médium podia ser vencida aos poucos. De qualquer maneira, os fenômenos obtidos por Imoda, e depois também por richet, com Linda Gazzera, provam a excelência dos seus dons mediúnicos.

Temos, portanto, dois casos clássicos de materializações que se realizavam em condições contrárias: o de William Crookes, com a jovem médium Florence Cook, cujas aparições se produziam com luz, e o de Enrico Imoda, com linda Gazzera, que exigia escuridão. Vê-se que o problema da luz está ligado, de certa forma, às condições pessoais do médium, seja no plano psíquico, seja no fisiológico.

Outras numerosas experiências, e várias ocorrências de aparições espontâneas em pleno dia, mostram que não há uma fotofobia generalizada, nos casos de materialização. Não se pode dizer, portanto, que o escuro seja condição essencial para a produção dos fenômenos, que podem realizar-se também em plena luz.

Guillaume de Fontenay, que foi vice-presidente da Seção de Paris da Sociedade Universal de Estudos Psíquicos, formulou uma curiosa teoria sobre os fenômenos de materialização. Segundo essa teoria, os fenômenos apresentam vários estados, dos quais se destacam três fundamentais. Desses três, os dois primeiros podem ser considerados como estágios, como fases preparatórias da materialização completa.

Parece que a luz exerce influência negativa apenas no primeiro estágio. A teoria de Fontenay foi confirmada por experiências de Ochorowicz em Varsóvia, com a médium Stanislawa. Fontenay, pelo menos, assim considerou o resultado daquelas experiências.

Em carta dirigida a Demaison, e publicada no livro de Enrico Imoda, “Fotografie di Fantasmi” (Edições Fratelli Bocca, Turim, 1912), Fontenay expõe a sua teoria nos seguintes termos: “Considero que as materializações de formas apresentam vários estados.

O primeiro – e o segundo, creio –, o mais fácil de obter-se, é o estado em que elas são tangíveis, consistentes, capazes de se moverem e de movimentar objetos, mas permanecem invisíveis, mesmo em plena luz. Num segundo estado, as formas materializadas são, ao contrário, visíveis, mas inconsistentes.

Pode-se atravessá-las com a mão, sem experimentar nenhuma sensação tátil, a não ser, por vezes, a que alguns observadores chamaram “sensação de teia de aranha”. Afinal, num terceiro estado, que parece ser o mais difícil de obter-se, a materialização se completa, o que quer dizer que as formas criadas revestem todos os atributos normais da matéria: consistência, poder mecânico, visibilidade.”

Essas explicações de Fontenay, segundo nos parece, respondem às perguntas de vários leitores sobre o problema da luz nos fenômenos de materialização. Ao caso particular de Linda Gazzera, a teoria se aplica de maneira admirável. Linda não tolerava a luz, mas os fenômenos produzidos pela sua mediunidade apresentavam mobilidade, força mecânica e consistência. Daí a conclusão de Fontenay, de que a médium podia desenvolver a capacidade de produzir fenômenos completos em plena luz.

Herculano Pires

Ver no site a grande médium italiana Linda Gazzera

Fontes: A História do Espiritismo - Allan Kardec O Codificador da Doutrina Espírita (Um breve histórico em áudio sobre a vida de Allan Kardec) 

Fontes: Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires

Fontes: César Perri - GEECX - Grupo de Estudos Espíritas Chico Xavier

"Lembremos, ainda, a advertência de Kardec, no item 306 de O Livro dos Médiuns, quanto ao interesse pessoal que leva os médiuns a servirem de instrumentos para a mistificação. Não é apenas o interesse do dinheiro, do ganho material, mas, também, o da vaidade pessoal, que transforma bons médiuns em mistificadores. Tenhamos cuidado com as obras mediúnicas. Há muita moeda falsa circulando como boa, pagando muito incenso para médiuns jactanciosos, em prejuízo da Doutrina."

Herculano Pires "O Zelador da Doutrina Espírita"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Allan Kardec - O Livro dos Médiuns (Obra de Allan Kardec - "O Livro dos Médiuns" - Segunda Parte - Dos Médiuns - Cap. XIV)

 

Herculano Pires - Os Três Caminhos de Hécate PDF