WILLIAM STAINTON MOSES

IDENTIFICAÇÃO DOS ESPÍRITOS

 

OBRA RARA TRADUZIDA

 

Título Original em Inglês

William Stainton Moses - Spirit Identity

Londres - 1902


Tradutor do Inglês para o Português

Wellington Alves

Comentários do tradutor:

William Stainton Moses versa, neste livro, sobre uma complicada faceta do Espiritismo Experimental, a identificação dos espíritos comunicantes.

Apesar de o livro ser datado do fim do século XIX, ainda hoje a identificação é uma das maiores dificuldades encontradas no intercâmbio espiritual.

Aqui, o Rev. Moses publica um pequeno relatório (O Operador Inteligente no Outro Lado da Linha, título retirado de uma palestra de William Crookes) que leu na Associação Nacional Britânica de Espiritualistas sobre o assunto e soma alguns casos pessoais e independentes publicados em periódicos ingleses e estadunidenses da época.

Enfoca os lados morais e religiosos da questão com a maestria que lhe era peculiar e conta também como foram sua iniciação e conversão ao mundo do Moderno Espiritualismo.

Tradutor da obra
Wellington Alves - Outubro de 2011

Prefacio da obra:

Este livro saiu de um relatório originalmente lido em um debate da Associação Nacional Britânica de Espiritualistas, mantido nas salas desta, no número 38 da Great Russel Street, em Londres, na tarde de 16 de dezembro de 1878.

Neste relatório, eu apresentei certas evidências da identidade de espíritos que, de tempos em tempos, se comunicavam comigo e fundei uma convicção sobre elas.

Confinado em estreitos limites pelas exigências da ocasião, lidei com um aspecto do assunto apenas e meu tratamento dele foi corrido. Considero, entretanto, melhor publicar o relatório como foi originalmente feito, com alguns poucos fatos adicionais suprindo suas imperfeições e omissões, até certo ponto, em outras partes do livro, especialmente na introdução.

Também utilizo, advindo do The Spiritualist, certas matérias que influenciaram o assunto geral deste trabalho, além de adicionar outro apêndice de casos de identidade anteriormente publicados, a cujas alusões faço no curso do meu argumento.

Escrevendo, como faço agora, aos estudantes que penetraram no anel externo deste assunto, presumo certo amontoado de conhecimento nesta parte e certa aceitação dos princípios, os quais não para discutir.

E é justo dizer que deduzo dos meus fatos certos argumentos para a tendência religiosa do Espiritismo, os quais meus leitores modificarão ou rejeitarão como aprouverem. Provavelmente, eles já possuem suas próprias noções religiosas, mas, pelo que sim, pelo que não, os fatos são independentes de qualquer teoria que se possa ser feitas com eles.

M.A. (OXON)

Londres, Natal de 1878.

Ver na obra "O Livro dos Médiuns" de Allan Kardec no Cap. 24 o tema da Identidade dos Espíritos

Ver no site todas os temas da Revistas Espíritas publicadas por Allan Kardec

Fontes: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita

Há diferenças entre os Espíritos bons e maus no tocante à solicitude com que atendem ao nosso chamado?

— Há, e muito grande. Os Espíritos maus só atendem de boa vontade quando esperam dominar e enganar; sentem viva contrariedade quando são forçados a se manifestar para confessar as suas faltas e procuram escapar, como o colegial que se chama para repreender. Podem ser constrangidos a manifestar-se por Espíritos superiores, como castigo e para instrução dos encarnados. A evocação é penosa para os Espíritos bons quando chamados inutilmente, por motivos fúteis. Então não atendem ou logo se retiram.

Pode-se dizer que em geral os Espíritos, sejam quais forem, não gostam de servir, como vós, de distração para curiosos. Muitas vezes não tendes outro fim, ao evocar um Espírito, que o de ver o que ele vos dirá ou interrogá-lo sobre particularidades da sua vida que ele não se interessa por vos contar, pois não tem nenhum motivo para vos fazer de confidente. Pensais que vai se expor no banco dos réus para vos agradar? Desenganai-vos, pois o que ele não faria em vida, muito menos o fará como Espírito.

Observação de Kardec: A experiência comprova que a evocação é sempre agradável para os Espíritos quando feita com um objetivo sério e útil. Os bons têm prazer em nos instruir. Os sofredores são aliviados com a simpatia que lhes demonstramos; os nossos conhecidos ficam satisfeitos com a nossa lembrança. Os Espíritos levianos gostam de ser evocados por pessoas frívolas, porque têm a oportunidade de se divertirem à sua custa: não se sentem bem na companhia de pessoas sérias.

(Allan Kardec - "O Livro dos Médiuns, Cap. 25")

 

RELAÇÃO DAS OBRAS PARA DOWNLOAD

 

 

 

William Stainton Moses - Identificação dos Espíritos PDF

 

 

William Stainton Moses - Identificação dos Espíritos DOC

 

 

William Stainton Moses - Spirit Identity (Eng.)