CONGRESSO ESPÍRITA INTERNACIONAL
DE LIÈGE, BÉLGICA EM 1905

TRADUTORA
FABIANA RANGEL

REVISÃO
IRMÃOS W.

FABIANA RANGEL CAPA
ERY LOPES

 

OBRA RARA TRADUZIDA

 

Congrè Spirite de Liège/belge (1905)

DISCOURS DE LÉON DENIS PRONONCÉS À L'OCCASION DU CONGRÈS SPIRITE DE LIÈGE/BELGE (1905)

DISCOURS DE GABRIEL DELANNE PRONONCÉS À L'OCCASION DU CONGRÈS SPIRITE DE LIÈGE/BELGE (1905)

CONFERENCE SUR L'EXTERIORISATIONDE LA PENSEE

 

VERSÃO DIGITALIZADA EM 2018

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA
WWW.AUTORESESPIRITASCLASSICOS.COM

Apresentação:

Congresso Espírita de Liège - Bélgica (1905)

Membros Honorários: Gabriel Delanne, Léon Denis.
Presidente: Le Clément de St-Mars
Vice-Presidente: Sr. Fraikin
Secretário: Sr. Henrion
Secretário Adjunto: Sr. Van Geebergen
Tesoureiro: Sr. Fiaam
Tesoureiro Assistente: Sr. Dumoulin
Avaliadores: Sr. Beyns, Piérard e Moret

O Congresso Espírita realizado nos dias 11 e 12 de junho de 1905 em Liège. Sendo que Léon Denis e Gabriel Delanne foram nomeados presidentes honorários.

O Sr. León Denis fez um discurso eloqüente sobre o objetivo essencial do Espiritismo, que deve ser o de renovar a educação científica e moral da humanidade.

E Gabriel Delanne faz uma conferência sobre o tema: Exteriorização do Pensamento.

O Congresso adotou a seguintes declarações:

A. A existência de um princípio superior do ideal do verdadeiro, do belo, do justo que chamamos de Deus.

B. A existência e sobrevivência da alma humana.

C. A existência de relações entre o encarnados e os desencarnados.

D. A evolução progressiva do indivíduo e da humanidade.

Na Fundação da Federação Espírita Belga foram lidos os discursos dos Srs. Fraikin, Henrion. Bridaux, Van Geebergen, Fiaam, Moret na qual analisam todos os aspectos do espiritismo e os seus modos de propaganda.

O Sr. Vanderysi enviou uma petição dos espíritas ao Parlamento Belga para chamar a atenção e o estudo das autoridades sobre a questão do Espiritismo. Na qual os espíritas não temem a discussão e os desejos mais ardentes dos Espíritas são para o estudo de suas experiências e as suas teorias.

Os relatórios apresentados ao Congresso Espírita sobre os fenômenos espíritas recentemente observados na Bélgica. Há alguns que se relacionam com a levitação de uma mesa em plena luz; um homem morto que vem se despedir de seu amigo; casos de mediunidade clarividente e, sobretudo, de muitas curas, bem comprovadas, que tornam conhecido o toque dos benefícios da mediunidade de cura, quando exercido com a ânsia de aliviar os semelhantes.

Introdução:

No mês de junho de 1905, os espiritualistas belgas recebiam em Liège, para participar de seus trabalhos, com o título de Presidente de Honra, aquele a quem já chamavam de “O Apóstolo do Espiritismo”. A data do último Congresso realizado em Liège remontava a 30 anos.

No substancioso discurso que Léon Denis pronunciou naquela ocasião, destacou a importância da realização daqueles certames mundiais com maior freqüência:

“Os Congressos são úteis no sentido de que representam uma afirmação de vitalidade de nossos princípios e de nossas crenças. Os Congressos são úteis porque contribuem para orientar a marcha do Espiritismo. Neles medimos os progressos realizados. Neles acertam-se as formas de melhor organizar o trabalho de experimentação e de propaganda para torná-lo mais metódico. Neles se estreitam os laços de solidariedade que unem os espíritas de diversas regiões, de diversas federações. E cada vez que aqueles que participaram desses Congressos retornam à vida ativa, à luta pelas idéias, eles o fazem com um novo ardor, com uma confiança bem maior.”

Depois, entrando no cerne da questão, expunha o que, segundo ele, devia ser o objetivo essencial do Espiritismo. Inicialmente, provocar, pesquisar, coordenar as provas experimentais da sobrevivência, por meio de um controle rigoroso, apoiando-se nos recursos do método e da crítica, desconfiando das afirmações prematuras. Em seguida, preparar, renovar a educação científica, racional e moral do homem em todos os seus ambientes.

“Creio poder dizer que o Espiritismo foi chamado para se tornar o grande libertador do pensamento, há tantos séculos escravizado. A magnífica obra do Espiritismo será aproximar os homens, as nações, as raças, formar corações e desenvolver as consciências. Mas, para isso é preciso trabalho, perseverança, espírito de devotamento e de sacrifício.”

Tranqüilizando os neófitos, decepcionados com a aparente lentidão dos progressos da Doutrina, Denis escrevia:

“Somos impacientes porque nossa vida é curta.Todavia, já podemos dizer que o Espiritismo tem feito muito mais em 50 anos do que qualquer outro movimento do pensamento, não importa em qual época da História. Para mim é uma grande alegria poder dizer essas coisas aqui, na capital da Valônia, nesta terra de independência e de coragem, cujos filhos sempre compreenderam e demonstraram que nada se obtém senão ao preço do trabalho e da paciência.”

A seguir, fazendo o histórico do Espiritismo, mostrava, num interessante resumo, como a Ciência, de início a contragosto, fora constrangida, pouco a pouco, a orientar-se no mesmo sentido.

“Faz 50 anos que os espíritas sabem o que a Ciência pretende hoje descobrir.”

E Denis registrava a confissão de impotência e de confusão da Ciência, profetizando que ela seria obrigada a uma completa revisão de seus conceitos, segundo a hipótese espírita.

Passando ao problema religioso, ele ainda fazia importantes declarações que estava em condições de comprovar:

“A idéia espírita penetrou nos meios religiosos mais refratários, mais ortodoxos.”

E citava o pastor Bénezech, entre os protestantes, e o padre Didon, entre os católicos.

Léon Denis

Fonte: Gaston Luce - Léon Denis, O Apóstolo do Espiritismo

Ver no site Revue Spirite D’Anvers (O Espiritismo na Bélgica nos tempos de Allan Kardec)

Ver no site José Lhome (Os Semeadores do Espiritismo na Bélgica)

Fontes: Encyclopédie Spirite (Revue Scientifique Et Morale du Spiritisme)

Fontes: Encyclopédie Spirite (Revue Spirite)

"Eu repito: é preciso estudar os fatos; é preciso dar aos fatos toda a importância que eles merecem. Mas, mais longe e mais alto que os fatos, é preciso ver a finalidade para o qual, por meio dos fatos, mãos invisíveis conduzem a humanidade!

Não! O Espiritismo não é somente o fato psíquico, a dança das mesas, como alguns homens infelizmente parecem crer! O Espiritismo é todo o esforço, o esplêndido esforço do além para arrancar da alma humana as suas dúvidas, suas vergonhas, suas lepras, suas doenças morais, para obrigá-la a tomar consciência de si mesma, de suas energias escondidas, para forçá-la a realizar seu glorioso destino. (Aplausos).

O Espiritismo é o raio de esperança que vem aclarar nosso universo sombrio, nossa terra encharcada de sangue e lágrimas; é o raio alegre que vem visitar os quartos de miséria, que penetra os lares tristes onde habita a infelicidade, onde geme o sofrimento.

O Espiritismo é o apelo do Infinito à pobre alma humana esmagada sob a matéria; essas são as vozes que vêm proclamar o mais nobre, o mais forte ideal que o pensamento do homem já sonhou. E a esse apelo, à essas vozes, se revestem as frontes tombadas sob o peso da vida, os desesperados, os náufragos da existência retomam coragem e no céu nebuloso de seu pensamento eles vêem brilhar o amanhecer que anuncia novos tempos, tempos melhores para a humanidade.

O Espiritismo é a comunhão das almas que se chamam e que se respondem através da imensidão. Não é graças a ele que as notícias nos chegam daqueles que foram nossos companheiros de correntes aqui embaixo, nossos companheiros de luta? Nós acreditávamos tê-los perdido e eis que nos sentimos novamente ligados a eles!

Que alegria saber, sentir que estamos unidos àqueles que amamos, unidos ao longo dos séculos, que a morte não é mais que uma ilusão aos olhos, que toda separação não é mais que passageira e aparente. Nós nos sentimos ligados não somente a eles, mas a todas as almas que povoam a imensidão. O universo é uma grande família. E sobre os milhares de mundos que giram nas profundezas, por todos os lados temos irmãos e irmãs aos quais estamos destinados a encontrar e a conhecer um dia, por todos os lados almas com as quais perseguiremos nossa ascensão sob a égide de leis sábias, equitativas, profundas, eternas! (Aplausos).

E é assim, irmãos e irmãs, é por aí que despertará pouco a pouco e que crescerá em nós o sentimento, o forte instinto da vida universal, da solidariedade universal. É por aí que nós nos sentiremos ligados aos mais humildes como aos maiores espíritos, que nós nos sentiremos da mesma raça que os heróis, os sábios e os gênios e que nós teremos a possibilidade de nos juntarmos a eles na luz quando tivermos, também nós, trabalhado, lutado, merecido, sofrido!

O Espiritismo, enfim, é todo o estremecimento da vida invisível; é o universo vivo que foi ignorado até aqui, salvo alguns, e que nós sabemos ser agora, que nós sentimos ser, palpitar, vibrar ao nosso redor, preencher o espaço de pensamentos radiantes, de pensamentos de amor, de inspirações geniais e que nós sentiremos cada vez mais viver e agir, graças ao desenvolvimento das faculdades que ainda dormem na maioria dos homens, mas que vão se despertar, se multiplicar pelo conhecimento do Espiritismo, aumentar e se tornar a partilha da maioria, depois ter sido somente privilégio de alguns.

E por isso, iremos adquirir também a certeza preciosa da proteção, do apoio que, do além, se estende sobre nós, a prova de que a solicitude do alto envolve todos os peregrinos da existência em sua penosa viagem terrestre."

 Congresso Espírita de Liège - Bélgica (1905) "Léon Denis"

"Trata-se de demonstrar que esse ensinamento de Kardec é verdadeiro; trata-se de provar, pelas pesquisas dos sábios contemporâneos, que nós encontramos explicações claras, lógicas que vêm apoiar de maneira absoluta, certa, o ensinamento dado pelos espíritos há meio século; trata-se de mostrar que aquilo que foi conteúdo nos livros do mestre é verificado hoje de uma maneira absolutamente autêntica e precisa pelos sábios que não são espíritos. É, então, buscando em suas obras que nós vamos acumular as provas que demonstram de maneira absolutamente vívida que Kardec não nos enganou."

 Congresso Espírita de Liège - Bélgica (1905) "Gabriel Delanne"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Revue Scientifique Et Morale du Spiritisme - Le Congrès Londres (Juillet 1905) (Fr.)

 

Congresso Espírita de Liège - Bélgica (1905) PDF

 

Congresso Espírita de Liège - Bélgica (1905) DOC