John Martin - A Natureza

 

EUGÉNE NUS

O GRANDE TEATRÓLOGO ESPÍRITA

(1816 - 1894)

Apresentação do site:

Infelizmente não existe uma biografia completa e nem obras traduzidas para a nossa língua portuguesa de Eugéne Nus, somente alguns dados esparsos na Revista Espírita aonde Allan Kardec esteve a sua frente e uma correspondência entre Allan Kardec e Eugéne Nus.

- Nascido na França em 1816 e desencarnado no ano de 1894.

- Foi um teatrólogo realizando dezenas de peças.

- Um espírita fervoroso e militante atuante.

- Participou ativamente dos círculos espíritas de Allan Kardec com a chegada dos fenômenos das mesas girantes nos salões aristocráticos de Paris em 1853.

- Eugène Nus publicou 2 obras espíritas: Choses de l'autre monde (1880), A la recherche des destinées (1891). E a obra Les dogmes nouveaux (1861) que foi comentada por Allan Kardec na Revista Espírita de Abril de 1866.

Artigo 01

Extraídos da Revista Espírita

Jornal de Estudos Psicológicos

1866 - 9º ano

Poesia do Sr. Eugène Nus

As estrofes seguintes são tiradas da obra Os Dogmas Novos, do Sr. Eugène Nus. Embora não seja uma obra mediúnica, certamente nos irão agradecer a sua reprodução por causa dos pensamentos aí expressos de modo tão gracioso. Sob o título de Os Grandes Mistérios, o mesmo autor publicou ultimamente uma ou outra obra notável, a que nos reportaremos e na qual se acham todos os princípios fundamentais da Doutrina Espírita, como solução racional.

Ó amados mortos, que esta terra
Vos vê, conosco misturados,
Mostrai-nos que mistério encerra:
Aonde viveis, mortos amados?

Globos que brilhais a povoar o espaço,
Irmãs desta terra, estrelas dos céus,
Qual de vós me dá no além um regaço,
Destino de sombra ou de glória véus?

E qual de vós tem recebido as almas
Daqueles que amava e os tenho perdido?
De vós branco raio e de luzes calmas,
Sobre o meu ser a sonhar tem descido?

Ligados, então, à sorte da terra
Quer pelo destino ou seu bem-estar,
São eles levados ao que ela encerra
De justo no instante de retornar?

Ou mais perto ainda, Almas invisíveis,
Que estando entre nós buscais nos servir,
Concórdia pregando aos seres sensíveis,
Chorando por quem é surdo em ouvir?

Mistério profundo o da alma infinita!
Já faz quanto tempo eu te busco em vão.
De pálida fronte a vida me agita
Sem poder achar de Deus a razão.

Ó mortos queridos, onde estejais!
Vinde vós a mim perto ou longe até;
Vossa oculta voz já cedi demais;
E vosso calor aqueceu-me a fé.

Ó amados mortos, que esta terra
Vos vê, conosco misturados,
Mostrai-nos que mistério encerra:
Aonde viveis, mortos amados?

Allan Kardec

Revista Espírita de Abril de 1866

Artigo 02

Carta de Allan Kardec a Eugène Nus

Venho agradecer o mimo que tivestes a bondade de me fazer, enviando-me a bela e sábia obra: Les Grands Mystères, e muito penhorado me sinto pelo testemunho de simpatia que nele se acha expresso.

Não pude ler ainda senão uma parte, mas isso me basta para apreciar-lhe o alcance e não duvido nela encontrar preciosos documentos.

Permite-me que vos ofereça, por minha vez, a última obra que acabo de publicar: O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo.

Muito senti não estar em casa quando vos deste ao trabalho de me procurar: teria tido o prazer de vos conhecer; mas espero que isso não tenha sido senão um adiantamento. Quando puderdes dispor de vosso tempo, às sextas-feiras, de três às cinco horas, podeis estar certo de me encontrar e se desejardes assistir a uma das sessões da Sociedade Espírita, terei muito prazer em vos dar uma carta de apresentação.

Nossa sessão de amanhã é uma das que admitimos algumas pessoas estranhas.

Rogo que vos digneis receber a expressão de meus mais distintos sentimentos.

Allan Kardec

(Esta correspondência foi publicada pela Revista Reformador no ano de 1917, página 285).

ver no site as Revistas Espíritas publicadas por Allan Kardec

Fontes: História do Espiritismo

  Fontes: A Luz na Mente » Revista on line de Artigos Espíritas (Deus é o agente iniludível para a explicação da vida)

"Toda teoria em manifesta contradição com o bom senso, com uma lógica rigorosa e com os dados positivos que se possuem, por mais respeitável que seja a sua assinatura, deve ser rejeitada."

Allan Kardec "O Codificador da Doutrina Espírita"

"Uma sociedade cujos membros fossem todos guiados pelo amor ao próximo; que inscrevesse a caridade no alto de todos os seus códigos, seria feliz, e em breve veria apagarem-se os ódios e as discórdias. O Espiritismo pode realizar este prodígio e o fará, a despeito dos que ainda o agridem, porque os agressores passarão, mas o Espiritismo permanecerá."

Allan Kardec - Revista Espírita, agosto de 1860 - Concordância espírita e cristã.


RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Allan Kardec e as Mesas Girantes na França (Zeus Wantuil)

 

Eugène Nus - Les dogmes nouveaux (Fr)

 

Eugène Nus - A la recherche des destinées (Fr)

 

Eugène Nus - Choses de l'autre monde (Fr)