Georges Mélusson

Sociedade de Estudos Psíquicos e Espíritas de Lyon

O GRANDE PESQUISADOR DA ALMA HUMANA

OS ÚLTIMOS ESPÍRITAS DA FRANÇA DE ALLAN KARDEC

(1865 - 1932)

Biografia de Georges Mélusson:

Nascido em 1865, em uma família católica de Lyon. Aos 17 anos de idade, assistia a sessões de magnetismo e sonambulismo. Médium, obteve resultados notórios no envio de sugestões à distância.

Foram muitos anos depois que ele se interessou e filiou-se às ideias do Espiritismo, ao ler as obras codificadas por Allan Kardec. Então, ingressou na Sociedade Fraternal de Estudo Científico e Moral do Espiritismo, criado por Adolphe Laurent de Faget. Logo após, ele se tornou o vice-presidente da associação.

Um ardente defensor da Doutrina Espírita que foi alimentado pelas constatações da sobrevivência da alma no além morte. Em 1919, fundou, com Alphonse Bouvier a Sociedade de Estudos Psíquicos e Espíritas de Lyon e, posteriormente, cria a Federação Espírita de Lyon e torna-se diretor da revista "La Paix Universelle". Naquele mesmo ano Alphonse Bouvier passa a presidência a George Mélusson, e permanece como presidente honorário, presidindo a seção magnetismo.

Foi contemporâneo e conviveu com os grandes gigantes do Espiritismo como: Léon Denis, Gabriel Delanne, Felix Remo, Léon Chevreuil, Coronel de Rochas, Professor Charles Richet, Maître Philippe e participou na era de ouro em que eram produtivos e saudáveis os Congressos Espíritas.

Proclamou as palavras que reverberava a fé racional que foram ditadas pelo Espírito da Verdade Codificadas por Allan Kardec.

Primeiramente, eis minha definição do Espiritismo, dizia:

É uma compreensão especial científica, filosófica e moral dos seres e das coisas. "Porque foi dentro do Espiritismo que encontrei uma concepção da vida, uma explicação de nossa existência e de nosso destino, uma moral e um senso de religião que me satisfizeram plenamente quanto a todas essas relações; foi ela que suprimiu em mim todo medo da morte, fez-me compreender a bondade e como chegar a ela; foi por ela que eu recebi as mais plausíveis respostas quanto às questões: Por que a vida? Quem somos? De onde viemos? Onde vamos?

E, assim, eu devo dizer também que tive provas da realidade dos fatos que apresento, os quais me levaram a concluir que é no Espiritismo que se encontra a maior parte do pouco de verdade que é permitida aos humanos conhecer durante sua vida material."

O Movimento Espírita na França na década de 1930 estava acabando, os grandes líderes espíritas que conheceram as grandes lutas travadas por Allan Kardec estavam desencarnando. A Primeira Guerra Mundial exauriu demais o entusiasmo espírita no solo francês.

Georges Mélusson publicou em 1931 uma obra intitulada "Pourquoi je suis spirite". (Porque sou um espírita)

O último grande espírita francês Georges Mélusson desencarnou em 1932, na cidade de Lyon, na França.

O esgotado movimento espírita estava expirando na França.

Quando Chico Xavier perguntou ao espírito de Emmanuel, onde estavam aqueles companheiros de Allan Kardec que vibravam com o Espiritismo na França; onde estava aquele contingente de almas heroicas, sublimes que aceitaram aquelas ideias e a divulgaram com tanto entusiasmo pelo mundo inteiro – a maior parte na França, grande parte na Bélgica, por exemplo –, então ele disse que do último quartel do século XIX para cá, mais ou menos de quinze a vinte milhões de espíritos da cultura francesa e, principalmente, os simpatizantes da obra de Allan Kardec reencarnaram no Brasil para dar corpo às ideias da Terceira Revelação e fixarem os valores da reencarnação.

Tanto é assim, diz ele, que nos últimos oitenta anos se desenvolveu entre nós tal amor à cultura francesa, que muitos de nós, milhares de nós outros sabemos de ponta a ponta a história da Revolução Francesa, mas nada conhecemos a respeito do Marques de Pombal, das lutas de Napoleão, dos reis de Portugal, que foram os donos da nossa “evolução” primária. Nós nos reportamos muito mais à França como terra mater de nossa espiritualidade do que Portugal, até porque isso está no conteúdo psicológico de milhões e milhões de brasileiros que estão fichados, por certidão de cartório, como brasileiros, mas psicologicamente são franceses. Os grandes trabalhadores do Espiritismo que estavam na França naquele tempo hoje estão aqui lutando pelas ideias espíritas.

Fontes: Association de Rencontres Spiritualistes Alphonse Bouvier

Ver no site o pesquisador espírita Alphonse Bouvier ("Sociedade de Estudos Psíquicos e Espíritas de Lyon")

Fontes: Centre Spirite Lyonnais Allan Kardec (Bibliothèque Spirite)

Fontes: ADDE (Associação de Divulgação da Doutrina Espírita)

Fontes: A Luz na Mente » Revista on line de Artigos Espíritas (Sonambulismo - Faculdade intrigante e pouco debatida)

 

"Pretendemos poder afirmar que a crença na sobrevivência repousa, hoje, em conhecimentos corretos; se ela conduz a humanidade a um ideal mais elevado, não é uma razão para acusar de misticismo uma filosofia firmemente apoiada em provas experimentais. O Espiritismo é uma coisa séria que tem, atrás de si, um passado de longas provas e uma documentação formidável. Ele teve seus exploradores, seus historiadores, seus exegetas e seus filósofos, ainda em pequeno número, mas que não se pôde jamais refutar. Esperamos que hajam continuadores na geração que está surgindo; mas que eles se guardem de todo entusiasmo, que eles não esqueçam que o Espiritismo abriu caminho entre os espinhos."

Léon Chevreuil "Os últimos espíritas da França de Allan Kardec"

"Evitar o fenômeno espírita, levar à falência a atenção à qual ele tem direito, é levar a Verdade à falência"

Vitor Hugo "O escritor francês"

"Eu não hesito em dizer que aquele que declara que os fenômenos espíritas são contrários à ciência não sabe do que fala"

Camille Flammarion "O astrônomo espírita"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Programa Especial de Primeiro Aniversário (1971) Entrevista com Francisco Cândido Xavier (Pergunta nº 9 - Ingleses, franceses e brasileiros - A reencarnação dos espíritas contemporâneos de Allan kardec no Brasil)

 

Georges Mélusson - Pourquoi je suis spirite (1931) (Fr)