GUSTAVE GELEY

 

 Do Inconsciente ao Consciente

 

 

OBRA RARA TRADUZIDA

 

 

Título do Original em Francês

 

Gustave Geley - De I’Inconscient au Conscient

 

 

Librairie Félix Alcan

 

108, Boulevard Saint-Germain, 108

 

Paris (1919)

Tradutor do Francês para o Português

 

Abílio Ferreira Filho

Apresentação do site:

 

Agradecemos a Abílio Ferreira Filho, tradutor desta extraordinária obra de Gustave Geley. Os leitores brasileiros até o momento não tinham acesso direto ao livro, em face da não tradução para a língua portuguesa.

 

Por essa razão, oferecemos a décima sétima tradução de um clássico espírita sob a rubrica e responsabilidade do Portal Autores Espíritas Clássicos. Por sobre-humanas razões agradecemos a Abílio Ferreira, um aguerrido e laborioso cooperador do Cristo.
 

O primordial compromisso doutrinário do site é com a difusão gratuita do Espiritismo, por isso priorizamos de forma inabalável o resgate imparcial das primícias contidas nas obras e pensamentos dos autores clássicos da Terceira revelação.
Prefácio da obra:

 

Esta obra é a continuação lógica de meus estudos sobre o Ser Subconsciente.

 

Seu objetivo é compreender, numa síntese mais completa e mais vasta, a evolução coletiva e a evolução individual. Sua realização se inspira no mesmo procedimento: exprimir as idéias com a maior simplicidade, a maior clareza e a maior concisão possível; evitar as longas análises ou os desenvolvimentos; afastar sobretudo as digressões fáceis, de caráter imaginário ou poético.

 

Eu quis, antes de tudo, criar uma obra de síntese e essa síntese deve ser considerada em si mesma, fora e acima dos detalhes negligenciados ou voluntariamente omitidos. Não é, de fato, uma só das questões consideradas que necessitaria, para ser aprofundada, do esforço de toda uma vida. É obra própria de analistas e eu a deixo para eles. A minha é outra, já que visa, antes de tudo, a pesquisa ideal de uma vasta concepção de filosofia geral, baseada nos fatos.

 

Evidentemente, tal filosofia não seria capaz de ter, no estado atual de conhecimentos e da consciência humana, outra pretensão senão constituir um ensaio, um esboço ou, se quiserem, um plano cujas grandes linhas e alguns detalhes são precisos.

 

Do mesmo modo que forçosamente incompleta, essa filosofia não será plenamente original. A maior parte das soluções que ela propõe, encontram-se forçosamente, cá e lá, mais ou menos nítidas ou mais ou menos deformadas, nos diversos sistemas naturalistas ou metafísicos.

 

A concepção geral dessa obra é que, após ter inspirado a maior parte dos grandes sistemas metafísicos, encontrou sua exposição, a mais nítida e a mais concreta na obra de Schopenhauer. Suas premissas são, por isso, idênticas; mas seu desenvolvimento e suas conclusões são totalmente diferentes; meu trabalho, com efeito, tende precisamente a preencher o abismo que, para Schopenhauer, separa o Inconsciente do Consciente.

 

Daí, uma interpretação diferente da evolução universal e individual. Essa interpretação, em lugar de conduzir ao pessimismo, guia, eu não diria ao otimismo (estando o termo desconsiderado e equívoco), mas ao ideal inveterado da humanidade, ideal conforme suas esperanças eternas, as mais altas e as serenas, de justiça, de felicidade e de permanência individual.

 

Mas, a originalidade verdadeira da filosofia idealista que eu exponho aqui, a única que ela reivindica abertamente, é ser científica. No lugar de ser encerrada em um quadro dogmático ou místico, ou reter fórmulas puramente intuitivas ou apriorísticas, ela é baseada em uma demonstração positiva.
 

Fontes: Gustave Geley - Do Inconsciente ao Consciente

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Allan Kardec, o Educador e o Codificador da Doutrina Espírita, Orador Espírita José Raul Teixeira)

Fontes: Conseil Spirite Français

Fontes: KardecPedia (Enciclopédia Allan Kardec)

 

 

"Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas; ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os rege; depois, deduz-lhes as conseqüências e busca as aplicações úteis.

 

Não estabeleceu nenhuma teoria preconcebida; assim, não apresentou como hipóteses a existência e a intervenção dos Espíritos, nem o perispírito, nem a reencarnação, nem qualquer dos princípios da doutrina; concluiu pela existência dos Espíritos, quando essa existência ressaltou evidente da observação dos fatos, procedendo de igual maneira quanto aos outros princípios.

 

Não foram os fatos que vieram a posteriori confirmar a teoria: a teoria é que veio subseqüentemente explicar e resumir os fatos. É, pois, rigorosamente exato dizer-se que o Espiritismo é uma ciência de observação e não produto da imaginação. As ciências só fizeram progressos importantes depois que seus estudos se basearam sobre o método experimental; até então, acreditou-se que esse método também só era aplicável à matéria, ao passo que o é também às coisas metafísicas."
 

Allan Kardec "A Gênese - Caráter da Revelação Espírita"

 

"Em nós, tudo o que seja necessário ao nosso melhoramento, ao nosso avanço ou progressão, deve resultar dos nossos esforços pessoais.

Assim, pois, nos limites do possível, a moral humana deve deixar o indivíduo em liberdade.

É inútil e prejudicial impor deveres que o indivíduo não considere como tais.

O ideal da moral seria instruir sem impor, deixando o indivíduo advertido do mal e das conseqüências de suas ações. A luta é necessária para o desenvolvimento da sua inteligência.

Cedo ou tarde, as faltas e os erros cometidos serão compreendidos e julgados pelo próprio culpado, quer pelas advertências da dor, quer pelo desenvolvimento intelectual; como conseqüência disto, a sua liberdade moral aumentará um grau."

Gustave Geley "Do Inconsciente ao Consciente"

 

 RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Gustave Geley - Do Inconsciente ao Consciente (PDF)

 

 

Gustave Geley - De l’Inconscient au Conscient (1919) (Fr)