MARQUÊS DE PUYSÉGUR

O DESCOBRIDOR DO SONANBULISMO ARTIFICIAL (HIPNOSE)

O GRANDE MAGNETIZADOR Francês

O DISCÍPULO FIEL DE MESMER

(1751 - 1825)

 A biografia do Marquês Puységur:

Marie Jacques Amand de Chastanet, Marquês de Puységur, nascido 01 de Março de 1751 em Paris, era um oficial-general de artilharia, conhecida por sua prática de experiências transcrita magnetismo animal em seres humanos. Ele foi o neto de Jacques de Chastanet, Marquês de Puységur, Marechal de França (1656-1743).

Carreira militar e política

Ele entrou em serviço no Corpo de Artilharia Real, em 1768, e graças ao interesse Marshal Broglie foi para sua família, ele tem um progresso muito rápido, e em 1778 foi nomeado coronel, ele tem 27 anos. Distinguiu-se, durante o Grande Cerco de Gibraltar (1779 - 1783) e, em seguida, ele foi enviado em uma missão oficial à Rússia.

Ele entrou em serviço no Corpo de Artilharia Real, em 1768, e graças ao interesse Marshal Broglie, ele tem um progresso muito rápido, e em 1778 foi nomeado coronel, ele tem 27 anos. Distinguiu-se, durante o Grande Cerco de Gibraltar (1779 - 1783) e, em seguida, ele foi enviado em uma missão oficial à Rússia.

Em 1785, ele assumiu o comando de seu regimento de artilharia em Estrasburgo, e em 1789, ele assumiu o comando da escola de artilharia de La Fere. Homem do Iluminismo, ele começa a seguir as ideias da corrente revolucionária, então ele está sobrecarregado com o rumo dos acontecimentos.

Ele foi nomeado general de brigada de artilharia em 1789, e renunciou maio 1792. Enquanto seus dois irmãos emigraram no exterior, ele se recusa a seguir. Sob o período do Terror, ele passou dois anos na prisão, com sua esposa e filhos, mas evita o pior e não é privado de sua propriedade. De acordo com o Consulado e o Império, de 1800 a 1805, ele foi prefeito de Soissons.

Marquês de Puységur e o magnetismo animal

Como seus dois irmãos mais novos, Maxime Jacques (1755 - 1848) e Antoine-Hyacinthe (1752 - 1809), Puysegur foi aluno de Franz Anton Mesmer na Société de l'Harmonie de 1782.

Puysegur distingue de Mesmer dizendo ser apenas um vetor para cura dos pacientes que seriam os seus próprios médicos. E que por Mesmer os pacientes seriam tratados somente por uma ação puramente magnética, aonde a fonte de cura dos pacientes seriam a do próprio magnetizador.

Desde 1784, no campo de Buzancy em Soissons, Puysegur começou a praticar mesmerisation, um estado formal do transe considerado para trazer a cura das pessoas que viviam em seu castelo.

Tratando camponeses que ele reunia em círculo, de mãos dadas, sob um carvalho que ele mesmo magnetizara. Em 1784, ano em que seu mestre era expulso de Paris, o nobre deparou-se com algo absolutamente novo.

Certa ocasião, Puységur foi procurado para socorrer um jovem pastor, de 18 anos, chamado Victor Race. Ele estava enfermo, sofria de dores nas costas, respirava com dificuldade e necessitava de ser tratado pelo marquês.

Este aplicou-lhe os passes magnéticos, como era da praxe. Qual não foi a surpresa de Puységur quando, em lugar das reações costumeiras, espasmos, convulsões, etc., o paciente mergulhou tranquilamente em sono profundo! Puységur tentou despertar o pastorzinho, sacudindo-o. Mas debalde! O jovem continuou a dormir profundamente. O marquês ordena-lhe, então, que se levante. Surpresa maior, o rapaz ergue-se dormindo e, de olhos fechados, perambula pelo quarto como se estivesse acordado e de olhos abertos.

Comportava-se como um sonâmbulo comum que, à noite, se afasta da cama e, dormindo, caminha por quaisquer lugares, beirais, telhado, terraços de difícil acesso, etc., tendo os olhos cerrados.

Naturalmente, Mesmer e outros magnetizadores já haviam observado o transe sonambúlico, semelhante ao obtido por Puységur. Mas não lhe prestaram a devida atenção. Mais ainda, ele observou que, numa ocasião, Victor Race, ao ser levado ao estado hipnótico, mostrou-se possuidor de impressionantes faculdades paranormais: via à distância e, com os olhos fechados, obedecia às ordens mentais de Puységur (telepatia) e falava com uma linguagem acima das suas possibilidades culturais.

O evento ocorreu em 4 de Maio de 1784, o ano da publicação de seu primeiro livro sobre o magnetismo animal. Este foi também o ano da publicação de dois relatórios oficiais sobre o magnetismo animal patrocinado pela rei Luis XVI.

No mesmo ano, ele criou em Estrasburgo na La Société harmonique des Amis com cerca de duzentos hipnotizadores e instituiu muitos outros centros de tratamento para doentes. Esta empresa continua a existir até 1789 e publicou numerosos artigos sobre diversos casos tratados pelo magnetismo.

Sempre criticado e questionado, ele executa uma série de curas dos pacientes através da hipnose para responder as descrenças dos seus opositores. Conforme destacou um dos seus biógrafos Jean-Pierre Petter.

Puysegur é o líder da escola de magnetismo animal "Hipnoterapia". Há entre eles, incluindo o naturalista Joseph Philippe François Deleuze, o médico Alphonse Teste, diretor e escritor Charles de Villers, Casimir Chardel, Auguste Leroux, Tardy Montravel e Jules Charpignon.

Puysegur ficou gravemente doente em Reims em 1825 na coroação do rei Carlos X ao tentar dormir na tenda do marechal em uma noite muito fria e acabou morrendo.

Ele foi enterrado na cripta da Igreja de Buzancy (Aisne).

Fontes: Autores Espíritas Clássicos

Comentário do site:

Marquês de Puységur foi um consagrado hipnotizador europeu e fiel discípulo de Mesmer. Suas pesquisas sobre o magnetismo antecederam os estudos realizados por Allan Kardec.

Muitas questões extraordinárias, que posteriormente seriam assuntos fundamentais da Doutrina Espírita, foram examinadas pelos adeptos da tese do magnetismo animal, prática experimental, que consistiu um dos temas ordinários inseridos nas discussões do movimento iluminista.

Expressões como: “fluido vital”, “fluido universal”, “sexto sentido”, “sonambulismo provocado”, “dupla vista”, “telepatia” e muitas outras estavam presentes nos estudos dos magnetizadores.

No século XIX, além de despertar o interesse da comunidade científica, o “magnetismo” foi bastante estudado nas obras Espíritas. O Codificador, um estudioso do magnetismo desde os 18 anos de idade, redefiniu alguns conceitos sobre o tema. Palavras como “espírito” e “médium” já existiam, entretanto Kardec deu-lhes outra acepção, visando estratificar os arcabouços da Doutrina que vinha ao mundo sob as orientações dos Instrutores desencarnados.

O “médium” na concepção mesmerista, significava uma pessoa que se colocava sob o controle de um magnetizador. Todavia, Kardec anota no Cap. XIV do Livro dos Médiuns que “médium” é todo aquele que, sente num grau qualquer, a influência dos espíritos.

Comparemos o termo “médium sonâmbulo”: para os seguidores de Mesmer era uma faculdade que permitia uma pessoa entrar em transe sonambúlico sob influência magnética. Kardec ao estudar o tema percebeu algumas variáveis do transe sonambúlico.

Primeiro percebeu quando o sonâmbulo age espontaneamente sob a influência do seu próprio Espírito (animismo); é a própria alma que, nos momentos de emancipação, vê, ouve e percebe, fora dos limites dos sentidos. Por outro lado, o médium sonâmbulo, pode ser instrumento de uma inteligência estranha; quando é passivo e o que diz não vem de si. Em suma, o sonâmbulo exprime o seu próprio pensamento, enquanto que o médium exprime o de outrem.

Lembrando aqui que o Espírito que se comunica com um médium comum igualmente o pode fazer com um sonâmbulo; porque o estado de emancipação da alma facilita essa comunicação. Muitos sonâmbulos veem impecavelmente os Espíritos e os apresentam com tanta exatidão, como fazem os médiuns videntes. Podem dialogar com eles e transmitir-nos as suas ideias. O que narram, fora do âmbito de seus conhecimentos particulares, lhes é com certeza recomendada por outros Espíritos.

Irmãos W e Jorge Hessen

Sessão mesmérica. Mesmer atende uma paciente que desmaia. O salão era forrado de espelhos para intensificar o magnetismo.

Mémoires pour servir a l'histoire et a l'établissement du magnétisme animal, Paris, 1820.

Mémoires pour servir a l'histoire et a l'établissement du magnétisme animal, Paris, 1820.

Hipnotizado por Marquês de Puységur "Victor Race" toma leite como se fora um gato

 Les secrets du magnétisme et de l'hypnotisme dévoilés: somnambulisme, suggestion, transmission de la pensée, Paris, 1910.

  Ver no site o descobridor do Magnetismo "Franz Anton Mesmer"

Ver no site o grande magnetizador "Barão Du Potet"

Fontes: Les Memoires de Puysegur (Revue de Parapsychologie n°18, janvier 1985)

Fontes: Institut Métapsychique International

Eu acredito na existência dentro de mim de um poder.

Desta crença deriva minha vontade de exercer.

Toda a doutrina do Magnetismo Animal está contida nas duas palavras: Acreditar e Querer.

Eu acredito que tenho o poder de entrar em ação com princípio vital dos meus semelhantes;

Eu quero fazer uso disso; Esta é toda minha ciência e todos os meus meios.

Acredite e queiram, Senhores, e você fará tanto quanto eu.

Marquês de Puységur "O Discípulo Fiel de Mesmer"

"Para o Espiritismo, o sonambulismo é mais do que um fenômeno psicológico é uma luz projetada sobre a Psicologia. É aí que se pode estudar a alma, porque é onde esta se mostra a descoberto."

Allan Kardec "Cap. VIII - Da Emancipação da alma - O Livro dos Espíritos"

 

  RELAÇÕES DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Hernâni Guimarães Andrade - Puységur e o hipnotismo

 

Allan Kardec - O Livro dos Espíritos (Ver os temas sobre o sonambulismo - "Cap. VIII - Da Emancipação da alma - O Livro dos Espíritos")

 

Biografia de Marquês Puységur

 

Marquês de Puységur - Rapport des cures opérées à Bayonne par le magnétisme animal (1784) (Fr)

 

Marquês de Puységur - Appel aux savans, observateurs du dix-neuvième siècle de la décision (1813) (Fr)

 

Marquês de Puységur - Le Magnétiseur amoureux - T1 (1824) (Fr)

 

Marquês de Puységur - Le Magnétiseur amoureux - T2 (1824) (Fr)

 

Les Secrets du Magnetisme et de L'Hypnotisme (1910) (Fr)